Arquivo de Outubro, 2008

31
Out
08

Em Lisboa com Cesário Verde

Nesta cidade, onde agora me sinto

mais estrangeiro do que um gato persa;

nesta Lisboa, onde mansos e lisos

os dias passam a ver as gaivotas,

e a cor dos jacarandás floridos

se mistura à do Tejo, em flor também;

só o Cesário vem ao meu encontro,

me faz companhia, quando de rua

em rua procuro um rumor distante

de passos ou aves, nem eu já sei bem.

Só ele ajusta a luz feliz dos seus

Versos aos olhos ardidos que são

os meus agora; só ele traz a sombra

de um verão muito antigo, com corvetas

lentas ainda no rio, e a música,

sumo do sol a escorrer da boca,

ó minha infância, meu jardim fechado,

ó meu poeta, talvez fosse contigo

que aprendi a pesar sílaba a sílaba

cada palavra, essas que tu levaste

quase sempre, como poucos mais,

à suprema perfeição da língua.

 

Sobre Cesário Verde…

 

Cesário Verde (1855-1886), poeta de referência da segunda metade do séc. XIX, natural de Lisboa, cidade onde inicia a formação superior no Curso de Letras da Universidade de Lisboa. Aí conhece o escritor Silva Pinto, um amigo para a vida. Interrompe o curso para trabalhar para a loja de ferragens que seu pai tinha na Rua dos Bacalhoeiros. Começa a publicar poesias a partir de 1873 no Diário de Notícias, no Diário da Tarde, no Ocidente, entre outros. Embora vivendo e trabalhando em Lisboa, vive, a espaços, o ambiente rural de uma quinta familiar em Linda-a-Pastora. Dessas vivências resulta o profundo conhecimento da dictomia campo-cidade, patente numa poesia repleta de motivos populares e na utilização verbal dos objectos mais triviais. Em 1881 Cesário participa no “Grupo do Leão” e convive com Abel Botelho, Alberto de Oliveira, Fialho de Almeida, Gualdino Gomes e com os pintores José Malhoa, Silva Porto, Columbano e Rafael Bordalo Pinheiro. A partir de 1885 o seu estado de saúde agrava-se, vindo mesmo a falecer um ano mais tarde, tuberculoso. Em 1887 o seu amigo Silva Pinto publica uma compliação dos seus poemas em “O Livro de Cesário Verde”, uma obra incontornável de um dos incontornáveis da produção literária portuguesa.

 (Fontes: vidaslusofonas.pt/ astormentas.com/ alfarrabio.di.uminho.pt/ wikipédia)

30
Out
08

A custo

Embora a custo, desprende-se,

abandona-me,

o verão – ganhara raízes

fundas no que fora

terra aberta ao seu fulgor.

Deixou marcas, o cabrão:

dói-me a cara toda, o cabelo,

os lábios, sobretudo

as pálpebras porosas.

Vai sendo tempo de

considerar as minúsculas veredas

que por todo o corpo correm

não sei para que estrela,

escutar com atenção

a narrativa do silêncio.

Por mais solar

que seja o coração chega-se sempre

a isto – e isto

tem a forma da elegia

onde um rio e outro rio vão morrendo.

28
Out
08

Sem memória

Haverá para os dias sem memória

outro nome que não seja morte?

Morte das coisas limpas, leves:

manhã rente às colinas,

a luz do corpo levada aos lábios,

os primeiros lilazes do jardim.

Haverá outro nome para o lugar

onde não há lembrança de ti?

27
Out
08

Do fundo do corpo

Não dormia, passava horas e horas à escuta acabando por distinguir no emaranhado de sons os rumores mais ínfimos, a aranha a tecer a teia ou, ainda menos audível, a luz abrindo caminho a pulso entre a espessura dos reposteiros. O silêncio chegava tarde, perdido na rua o eco dos passos derradeiros. Só então ganhavam relevo aquelas pancadas vindas do fundo do seu corpo. Sempre ali estiveram, mas só nessas alturas surgiam limpas de outros ruídos, cada uma delas com perfil de espada. Até quando iriam durar? Porque chegaria um momento, disso não tenho a menor dúvida, em que o deserto da noite e o silêncio do corpo formariam uma substância única, para sempre inseparável do ardor do orvalho, subindo matinal os últimos degraus.

25
Out
08

Somos como árvores

Somos como árvores

só quando o desejo é morto.

Só então nos lembramos

que dezembro traz em si a primavera.

Só então, belos e despidos,

ficamos longamente à sua espera.

23
Out
08

Frésias

Uma pátria tem algum sentido

quando é a boca

que nos beija a falar dela,

a trazer nas suas sílabas

o trigo, as cigarras,

a vibração

da alma ou do corpo ou do ar,

ou a luz que irrompe pela casa

com as frésias

e torna, amigo, o coração tão leve.

21
Out
08

Escrevo

Escrevo já com a noite

em casa. Escrevo

sobre a manhã em que escutava

o rumor da cal ou do lume,

e eras tu somente

a dizer o meu nome.

Escrevo para levar à boca

o sabor da primeira

boca que beijei a tremer.

Escrevo para subir

às fontes.

E voltar a nascer.




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Outubro 2008
S T Q Q S S D
« Set   Nov »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,168 hits