25
Abr
09

A Casais Monteiro, podendo servir de epitáfio

O que dói não é um álamo.

Não é a neve nem a raiz

da alegria apodrecendo nas colinas.

O que dói

 

não é sequer o brilho de um pulso

ter cessado,

e a música, que trazia

às vezes um suspiro, outras um barco.

 

O que dói é saber.

O que dói

é a pátria, que nos divide e mata

antes de se morrer.

 

Setembro, 1972

 

Neste 25 de Abril relembro pela mão de Eugénio todos aqueles que, como Casais Monteiro, não o puderam ser na sua pátria e que com essa manhã de Abril tanto sonharam.

 

Mais sobre Adolfo Casais Monteiro…

 

Adolfo Victor Casais Monteiro nasceu no Porto em 1908 e morreu em São Paulo em 1972. Depois da sua licenciatura, na Faculdade de Letras do Porto, em Ciências Históricas e Filosóficas, começa a ensinar no Porto em 1934 e casa-se com Alice Pereira Gomes, irmã de Soeiro Pereira Gomes. A sua criação literária é já nestes anos dominada por dois géneros: a poesia e o ensaio. No final da década de 1930 e na década seguinte foi demitido do ensino (1937) e preso sete vezes, vivendo uma vida profissional atribulada por motivos políticos, mantendo a sua actividade de poeta e crítico através de trabalhos de tradução e edição. Os anos da década de 1940 são particularmente férteis em termos poéticos: Sempre e sem Fim data de 1937, e na década seguinte, seguem-se-lhe Canto da nossa Agonia (1942), Noite Aberta aos Quatro Ventos (1943), Versos (1944, reunião dos três livros de poesia anteriores) e, com particular destaque, Europa (1946), longo poema lido por António Pedro aos microfones da BBC de Londres ainda durante a guerra (1945). Por fim, em 1949, outra colectânea poética, Simples Canções da Terra. Exila-se em 1954 no Brasil (onde ensinou em várias universidades, com uma breve passagem pelos EUA perto do fim da vida) por motivos políticos (proibição de ensinar) e por motivos pessoais (desejo de liberdade). No Brasil mantém a sua actividade poética, tendo sempre em vista a actividade artística e literária em Portugal (onde nunca voltou), como as dedicatórias dos poemas dos últimos livros deixam perceber. Depois de décadas sem que a Censura permitisse, sequer, a publicação do seu nome, em 1969 a Portugália Editora lança o volume Poesias Completas, marcando a recepção da sua Obra pela geração que fará o 25 de Abril. Antes disso, morreu, em 24 de Julho de 1972.

 

Anúncios

0 Responses to “A Casais Monteiro, podendo servir de epitáfio”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Abril 2009
S T Q Q S S D
« Mar   Maio »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,226 hits

%d bloggers like this: