29
Dez
09

O lugar dos amigos – Agustina Bessa-Luís

Neste "O lugar dos amigos" é dado espaço aos que melhor nos falam da vida de Eugénio
- os seus colegas e amigos.

"Carta a Eugénio de Andrade, por Agustina Bessa-Luís (25.06.2005)"

Querido Eugénio

O melhor não são os sentimentos nobres das pessoas, mas o ácido prazer de amar seja o que for. Uma longa viagem nos une e nos separa. Nunca trocámos cartas porque essa débil força da confidência esteve sempre para nós fora de moda. Nunca deixámos que as palavras nos dessem lições. As palavras são como caminhos, umas vão dar a qualquer sítio que não nos importa conhecer; outras não servem para nada, e são as melhores.

A poesia não é feita de palavras, mas da cólera de não sermos deuses.

A Grécia, como a conhecemos, isso é que é poesia. O vento no fim da tarde em Delfos, o olival até ao mar, duma cor que já não me lembro. Nós não éramos profanos, mas argonautas em terra. Tenho ainda o medalhão de ouro, com Atena esculpida e a coruja ao lado. Tanta formosura para tão poucos iniciados!

Estou aqui a pensar que vou construir uma casa numa árvore do jardim, para navegar ao largo como o capitão Slocum, num iole de 12,70 toneladas de peso bruto. Daqui ao cabo Horn é um pulo. E sempre nos acenam os que ficam em terra, os lenços agitados pelo bom vento da costa. Somos navegadores solitários tentando não embirrar com o presidente do Transval que acredita que o mundo é plano e que não pode haver a volta ao mundo.

Um bom sorriso, e está bem assim.
Anúncios

5 Responses to “O lugar dos amigos – Agustina Bessa-Luís”


  1. Janeiro 16, 2011 às 11:49 am

    Andava à procura de coisas sobre a Agustina e dei com esta carta. Dádiva dos deuses!
    Obrigado por ter sido mensageira.
    Gostei do seu espaço, até porque tb sou admirador do E de Andrade.

    “Um bom sorriso e está bem assim” – que maravilha!

  2. Janeiro 16, 2011 às 12:14 pm

    Espero que não se zangue comigo por eu transcrever esta carta nos meus blogues e na página literária mensal que faço no semanário de Torres Vedras, o BADALADAS. A página chama-se LUGAR ONDE e é passada para um blogue cujo endereço é:
    http://lugaronde.blogspot.com/

    • 3 Raquel Agra
      Janeiro 16, 2011 às 7:54 pm

      Caro amigo,

      Que bom que esbarrou no Sal da Língua, sinto-me feliz por este espaço ser de partilha com todos os que, como eu, vivem na companhia das palavras dos outros. Não me zango nada, era o que mais faltava. Todas as poesias e prosas do Sal da Língua têm como destino o olhar dos outros, por isso só tenho é de lhe agradecer por multiplicar os canais da divulgação da língua, da nossa língua.
      Um abraço,
      Raquel

  3. 4 Cecília Moreno
    Fevereiro 7, 2011 às 10:36 pm

    magnifico vou postar no FB…..


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Dezembro 2009
S T Q Q S S D
« Nov   Jan »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,116 hits

%d bloggers like this: