Arquivo de Março, 2010

29
Mar
10

Ó manhã

 

Ó manhã,

manhã,

manhã de setembro,

invade-me os olhos,

inunda-me a boca,

entra pelos poros

do corpo, da alma,

até ser em ti,

sem peso e memória,

um acorde só

do vento e da água,

uma vibração

sem sombra nem mágoa.

Anúncios
28
Mar
10

Noite transfigurada

Criança adormecida, ó minha noite,

noite perfeita e embalada

folha a folha,

noite transfigurada,

ó noite mais pequena do que as fontes,

pura alucinação da madrugada

– chegaste,

nem eu sei de que horizontes.

Hoje vens ao meu encontro

nimbada de astros,

alta e despida

de soluços e lágrimas e gritos

–  ó minha noite, namorada

de vagabundos e aflitos.

Chegaste, noite minha,

de pálpebras descidas;

leve no ar que respiramos,

nítida no ângulo das esquinas

– ó noite mais pequena do que a morte:

nas mãos abertas onde me fechaste

ponho os meus versos e a própria sorte.

16
Mar
10

O lugar dos amigos – Almeida Faria

Neste “O lugar dos amigos” é dado espaço aos que melhor nos falam da vida de Eugénio – os seus colegas e amigos.

 

Carta a Eugénio de Andrade, por Almeida Faria

25.06.2005

Caro Eugénio,

Lembra-se quando nos conhecemos? Foi em Lisboa nos anos sessenta, eu acabara de publicar “A Paixão”, encontrámo-nos no Monte Carlo e você queria por força atravessar a recém-inaugurada Ponte Salazar. Apesar de ser noite, fomos até à outra banda conversando e voltámos, sempre a conversar.

Depois quase não nos vimos, embora eu fosse lendo os seus livros. Durante um curto período recebi notícias suas por um amigo comum que fez os nossos retratos imaginários e que, ao contrário de nós, não teve a sorte de envelhecer.

Quando recentemente nos reencontrámos foi na sua bem arrumada biblioteca, numa tarde em que a janela alta espalhava a luz na Foz por toda a sala. Assim que entrei, você disse-me “Afinal também você envelheceu”.

São assim os reencontros muito espaçados: trazemos uma imagem do outro na cabeça e de repente vemo-nos confrontados com uma cara onde só já se adivinham os traços que nos foram familiares.

Como se, num instante, a pessoa à nossa frente tivesse atravessado anos e anos de boas e más experiências, alegrias e desânimos, euforias, obsessões e sofrimento. Como se o tempo – que nos condena e nos liberta – tivesse acelerado indevidamente.

Clarividente era o Jorge de Sena ao escrever, ainda jovem, que “Nós não vemos viver o nosso rosto”.

Neste Setembro envelhecido, envia-lhe um grande abraço o seu cada vez menos jovem leitor antigo,

Almeida Faria

(In: “Dez Cartas e Um Bilhete Postal para Eugénio de Andrade”, Coordenação de José da Cruz Santos, Edições Asa)

11
Mar
10

Homenagem a Mark Rothko

Amarelo, laranja, limão,

depois o carmim: tudo arde

nas areias

entre as palmeiras e o mar – era verão.

Mas no lugar do teu nome

a terra tem a cor do verde

pensativo, que só a noite

pastoreia leve.

08
Mar
10

Abril

Brinca a manhã feliz e descuidada,

como só a manhã pode brincar,

nas curvas longas desta estrada

onde os ciganos passam a cantar.

Abril anda à solta nos pinhais

coroado de rosas e de cio,

e num salto brusco, sem deixar sinais,

rasga o céu azul num assobio.

Surge uma criança de olhos vegetais,

carregados de espanto e de alegria,

e atira pedras às curvas mais distantes

 – onde a voz dos ciganos se perdia.

01
Mar
10

A teia

As cigarras,

a brusca rouquidão da cal,

a surda rebentação dos cardos,

tudo o que faz o verão subir a prumo

chegou ao fim.

O frio, a sua teia branca,

lembra-te, não tardará.




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Março 2010
S T Q Q S S D
« Fev   Abr »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 142,017 hits