09
Maio
10

Setembro: que lugar

Setembro: que lugar

para dormir — ou nessas folhas

ardendo pelo chão da tarde.

Como partir, deixar deserta

a casa errante

e diminuta do olhar?

A que nos resta.

Anúncios

2 Responses to “Setembro: que lugar”


  1. Maio 9, 2010 às 11:51 pm

    Parabéns por este excelente blogue que descobri há pouco tempo, aquando de uma pesquisa sobre Eugénio de Andrade. Adicionei-o ao meu, espero que não se incomode.
    Serei uma visitante assídua pelo interesse que me desperta a poesia deste magnífico autor.

  2. 2 Raquel Agra
    Maio 10, 2010 às 11:41 am

    Cara Marta,

    Obrigada pelo elogio. Eugénio de Andrade é um dos meus poetas de eleição e uma das várias razões para este espaço de homenagem foi a de dar a conhecer a sua obra de uma forma mais abrangente. Apercebi-me que na Internet eram sempre disponibilizados os mesmos poemas, o que dá não espelha de maneira nenhuma a vasta obra deste poeta.

    Boas leituras e obrigada pela visita,
    Raquel


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Maio 2010
S T Q Q S S D
« Abr   Jun »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,116 hits

%d bloggers like this: