13
Jul
11

O Sal da Língua sugere… Poesia nas ruas de Cacela

O Sal da Língua sugere uma visita, no próximo fim-de-semana, à aldeia algarvia de Cacela Velha, onde decorrerá mais uma edição de “Poesia na Rua”, um evento cultural preenchido pela palavra poética. Leituras, conversas, apresentações de livros, ilustração de poemas e concertos são algumas das actividades previstas para o evento que decorre nos dias 15 e 16 de Julho.

Eugénio de Andrade é um dos poetas que verteu a aldeia de Cacela na forma de um poema, porém outros poetas também sobre ela escreveram ou nela viveram. É o caso de Sophia de Mello Breyner, Abû al-‘Abdarî, Teresa Rita Lopes, Adolfo C. Gago.

Uma boa proposta para mais um fim-de-semana que se aproxima. O Programa detalhado, retirado do Centro de Investigação e Informação do Património de Cacela, é o seguinte:

Dia 15 de Julho

A partir das 10h00

Actividades infantis e jogos poético – populares; Leituras de histórias e poemas com Filipa Melo, Paulo Moreiras e Teresa Patrício

17h00

Apresentação da Antologia Poética de Adolfo C. Gago por Teresa Patrício

18h00

Histórias sobre poemas com Teresa Rita Lopes

19h00

Os media do lado de dentro e do lado de fora dos livros

À conversa com Carlos Vaz Marques, João Pombeiro, Filipa Melo e Mário Antunes

22h00

Projecção da curta-metragem FRAGMENTAÇÃO (7’05”, 2011, Portugal) de Nuno Fernandes, baseado no poema ‘A Gaveta da Pedra’ de Rogério Cão. Com a presença do realizador e do actor/poeta

22h30

Concerto com Guta Naki

Dia 16 Julho

A partir das 10h00

Actividades infantis e jogos poético – populares; Leituras de histórias e poemas com Filipa Melo e Paulo Moreiras

10h30

Vamos ilustrar poemas sobre Cacela – Oficina de aguarela para pais e filhos com o artista plástico Francisco Pinheiro

16h00

Poetas do Guadiana – Duas Margens: um projecto em construção

16h45

O universo berbere na Literatura.

Apresentação dos livros “Debajo de tu língua” e “Huria – mar memória”, com presença dos autores Pepa Giráldez Tinoco (Chia) e Mohamed Hammu e dos editores Fernando Esteves Pinto e Tiago Néné / Editora Livros do Mundo

17h30

Poetas do al-Andalus com Ahmed Tahiri e António Baeta e poesia andalusi no feminino com Fatima-Zahra Aitoutouhen

18h15

“Ele dizia que a poesia era apenas o pretexto” – À conversa com Paulo Moreiras, José Riço Direitinho, Margarida Ferra e Eladio Horta

19h15

Homenagem a Hermínio Manuel Monteiro com Lúcia Pinho e Melo, João Paulo Fragoso de Almeida e José Carlos Barros

Ao anoitecer – A poesia desce dos telhados (poesia e música) com dizedores e In Tento

22h00

Festa da Poesia

Poemas ao Ritual da Igrejinha com a Banda Filarmónica de Vila Real de Santo António

Leitura de poemas com Margarida Ferra, Paulo Moreiras, António Baeta, Teresa Rita Lopes, Rogério Cão, Fernando Esteves Pinto, Miguel Godinho, Tiago Néné, Pepa Giráldez Tinoco (Chia), José Estêvão Cruz, Manuel Gomes, José Carlos Barros, M. Gilberta Fernanda, Rosália Madeira, Eliseu Miguel, António Domingos Mestre e Eladio Horta.

23h00

Concerto com NOISERV

Poesia na Rua 2011

Anúncios

0 Responses to “O Sal da Língua sugere… Poesia nas ruas de Cacela”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Julho 2011
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 140,236 hits

%d bloggers like this: