Arquivo de Dezembro, 2011

30
Dez
11

2012

O Sal da Língua deseja a todos um 2012 com bastante espaço para a esperança, as convicções, o inconformismo, uma grande ânsia de felicidade e, está claro, para muitas e melhores leituras.

14
Dez
11

O Sal da Língua comemora 4 anos

O Sal da Língua está hoje de parabéns!

Eu agradeço as visitas (já são mais de 50 000), as palavras de incentivo e, para comemorar, deixo-vos com o poema que deu o mote a este espaço e que marcou a primeira partilha, há precisamente 4 anos atrás.

 

Escuta escuta: tenho ainda

uma coisa a dizer.

Não é importante, eu sei, não vai

salvar o mundo, não mudará

a vida de ninguém – mas quem

é hoje capaz de salvar o mundo

ou apenas mudar o sentido

da vida de alguém?

Escuta-me, não te demoro.

É coisa pouca, como a chuvinha

que vem vindo devagar.

São três, quatro palavras, pouco

mais. Palavras que te quero confiar.

Para que não se extingue o seu lume,

o seu lume breve.

Palavras que muito amei,

que talvez ame ainda.

Elas são a casa, o sal da língua.

13
Dez
11

O lugar dos amigos – Artur Santos Silva

Neste “O lugar dos amigos” é dado espaço aos que melhor nos falam da vida de Eugénio – os seus colegas e amigos.

Artur Santos Silva

26.06.2005

Eugénio de Andrade é inegavelmente um dos primeiros entre aqueles que fizeram a literatura de Portugal no século XX. Eugénio e Sophia de Mello Breyner são os poetas do meu tempo que mais me marcaram. Eugénio de Andrade foi, ainda, um notável tradutor de poesia e é autor das mais belas descrições sobre o Porto de hoje, cidade onde escolheu viver desde 1950.

A Eugénio devemos, também, excelentes colectâneas de poesia de Pessoa e de Camões, a antologia de poesia portuguesa de que mais gosto e a organização do “Daqui Houve Nome Portugal”, obra que reúne excelentes textos, pinturas e fotografias sobre o Porto, em desafio duas vezes assumido pelo grande editor José da Cruz Santos.

Na poesia de Eugénio de Andrade impressiona-me, em especial, a pureza, a luminosidade e a transparência dos seus versos, bem como a profundidade, a depuração e o rigor da sua palavra. Os seus poemas não têm nada a mais e ditos por ele são ainda mais belos.

Tudo (“os seres e as coisas“) ganha uma outra dimensão na sua escrita: os frutos, as árvores e as flores – os jacarandás do Largo das Virtudes e do Jardim de S. Lázaro (“um jacarandá em flor é a anunciação do paraíso“), a magnólia da Praça da Liberdade, as mimosas da encosta de Gaia – os gatos, as gaivotas, as pombas, os pardais, as crianças e os jovens.

Conheci-o pessoalmente no final dos anos 60, na casa de Agustina e Alberto Luís. Discreto, austero – “sem o luxo que degrada a vida” -, tinha uma relação de grande afectividade e ternura com as pessoas de quem gostava. De grande lealdade e generosidade para com os seus amigos; como dizia, “a generosidade é outro nome da inteligência“. Apreciava nos outros a exigência de espírito e o rigor – “eu gosto de gente capaz de fazer da sua vida a mais bela das suas obras“.

Merecia bem não ter tido, como disse Arnaldo Saraiva no seu funeral, ” uma morte tão sofrida como a de Cristo, apesar de não ter tido uma cruz“.

Gostaria, em especial, de recordar o que escreveu sobre “o ritmo, a cor, a luz” do Porto e de que me sinto perto quando apreciamos os pontos fortes e as fragilidades da cidade e da sua gente.

Não sei se o Porto é uma cidade de trabalho… Sei que é uma cidade sem imaginação para a alegria. O trabalho é aqui muito triste – pois fora dele não há mais nada. É mesmo por não haver mais nada que se tem a impressão de toda a cidade viver exclusivamente para o trabalho...” “Em nome da integridade das suas tradições, a cidade antipatiza com toda a modernidade, se ganha em carácter, que o tem, e bem vincado, perde em espírito civilizado. Eis o que penso, e não se diga que não gosto do Porto – como qualquer grande amor, o meu, por esta cidade, é infeliz.”

Era um burgo pobre, sujo, reles até – mas gostaria tanto de lhe pôr um diadema na cabeça.”

Há quem goste muito do Porto e há quem o deteste. Queria falar desta cidade tão masculina sem nenhum peso de erudição que é coisa tão inimiga da poesia.”

Há no Porto, à beira do Outono, manhãs de uma perfeição total. A vinha virgem, com as folhas escarlates…”, “os castanheiros-da-Índia abrem os ouriços e deixam cair os frutos de pele lustrosa e orvalhada; a madressilva guarda ainda algumas flores, essas últimas onde se refugia o frágil aroma da eternidade.” “Eu queria falar destes manhãs de uma beleza que nos atravessa de mil maneiras, e dizer delas que, tal como o amor, não têm nome, nem idade: serão apenas música…

Nevoeiro

Viera do rio pela mão duma criança.

a cidade é agora de porcelana branca.

olhas o rio

como se fora o leito

da tua infância:

lembras-te da madressilva

no muro do quintal,

dos medronhos que colhias

e deitavas fora,

dos amigos a quem mandavas

palavras inocentes

que regressavam a sangrar,

lembras-te da tua mãe

que te esperava

com os olhos molhados de alegria.”

O grande poeta partiu. Temos agora que mostrar ter merecido a sua amizade, valorizar o seu exemplo, contribuindo para que a Fundação Eugénio de Andrade se assuma como uma instituição de excelência, quer na educação da sensibilidade de todos nós, em especial dos mais novos, quer na formação de professores para que saibam ensinar a sua obra. Finalmente, impõe-se divulgar ainda melhor a notável, extensa e diversificada obra de Eugénio de Andrade.

Só assim “a minha morte é tão natural como a minha vida”.

07
Dez
11

O sacríficio

Não gostaria de falar desse primeiro

encontro com as dificuldades do corpo.

Ou não seriam do corpo? Fora

do corpo haverá alguma coisa?

Foi há tantos anos, que espanta

que dure ainda na memória.

A extrema juventude guarda melhor

o tempo. Idade da flor, assim

lhe chamam. Idade de ser homem,

dizem também. O que é então

ser homem? Ou ser mulher?, se poderá

perguntar. Aqui, era ser homem: idade

de ir às putas. Entrava-se na sala

envergonhado, depois de se bater

à porta. Elas lá estavam; num salto

uma apalpou-o: Que cheiro a cueiros,

exclamou, olhando o cordeiro

do sacrifício. Ao fim, com dez escudos

pagavas o seres homem.

Não era caro, provares a ti mesmo

que pertencias ao rebanho.


In: Os lugares do lume (1998)

04
Dez
11

Velho, velho, velho

Velho, velho, velho

chegou o Inverno.

 

Vem de sobretudo,

vem de cachecol,

o chão por onde passa

parece um lençol.

 

Esqueceu as luvas

perto do fogão,

quando as procurou,

roubara-as o cão.

 

Com medo do frio,

encostou-se a nós:

dai-lhe café quente,

senão perde a voz.

 

Velho, velho, velho

chegou o Inverno.


In: Aquela Nuvem e Outras (1986)




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Dezembro 2011
S T Q Q S S D
« Nov   Jan »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,168 hits