09
Jun
12

O Sal da Língua comemora… a Poesia com Drummond

O Sal da Língua comemora o lançamento do livro do poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) “Os 25 Poemas da Triste Alegria” , um livro inédito da sua juventude. De acordo com o artigo da revista cultural Bravo , que divulga a publicação, “um desconhecido (e único) volume escrito pelo moço Drummond chegou faz pouco tempo até António Carlos Secchin, ensaísta e crítico literário dedicado a abastecer de raridades sua biblioteca em Copacabana, no Rio de Janeiro – um oásis que abriga 12 mil obras de literatura brasileira. Encadernadas numa firma de bairro, sob capa elegantemente azul, as páginas de aprendiz reuniam versos datilografados por uma jovem Dolores Dutra de Morais, já noiva do poeta de Itabira (MG)  [Carlos Drummond]. Esses 25 Poemas da Triste Alegria, assim intitulados, saem em meados deste mês de Junho, pela editora Cosac Naify [no Brasil]“.

Deixo dois dos seis poemas que a revista antecipa, em exclusividade, antes do lançamento do livro, que se intitulam “Gravado na parede” e “Sombra do homem que sorriu”.

Gravado na Parede

Saber que tu não virás nunca encher de rosas o meu quarto,

encher de belleza a minha vida…

e continuar á espera de tua graça dolente e e sobrenatural.

continuar á espera, de mãos vazias…

Saber que não partirás o meu pão, que não beberemos juntos,

ao jantar, um pouco d’aquelle amavel e grato vinho velho,

que não accenderás a minha lampada,

que o piano não possuirá os teus dedos…

Saber tudo isso, o impossível e o irremediavel

de tudo isso… e continuar sonhando inutilmente.

Ah! Por que não virás encher de rosas o meu quarto?

Ao menos,

vem encher-me de lagrimas os olhos.

A Sombra do Homem que Sorriu

Ah! que os tapetes não guardem

a sombra inutil dos meus passos…

Eu quero ser, apenas,

um homem que sorriu e que passou,

erguendo a sua taça, com desdém.

Os 25 Poemas da Triste Alegria, de Carlos Drummond de Andrade. Editora Cosac Naify, 255 páginas.

Anúncios


"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Junho 2012
S T Q Q S S D
« Maio   Jul »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 141,464 hits

%d bloggers like this: