19
Out
12

O Sal da Língua homenageia Manuel António Pina

O Sal da Língua homenageia o escritor, poeta e cronista Manuel António Pina, Prémio Camões de 2011,  que morreu esta tarde aos 68 anos. É triste a partida, apesar de grande o que nos deixa. Era cedo e seria sempre cedo para uma pessoa riquíssima como ele.

A casa do poeta é a poesia e a do poeta António Pina é imensa, mas hoje, em jeito de homenagem, deixo aqui a marca do cronista com um texto publicado no jornal diário JN com o título “Coisas sólidas e verdadeiras”, de 01-08-2012.

O leitor que, à semelhança do de O’Neill, me pede a crónica que já traz engatilhada perdoar-me-á que, por uma vez, me deite no divã: estou farto de política! Eu sei que tudo é política, que, como diz Szymborska, “mesmo caminhando contra o vento/ dás passos políticos/ sobre solo político”. Mas estou farto de Passos Coelho, de Seguro, de Portas, de todos eles, da ‘troika’, do défice, da crise, de editoriais, de analistas!

Por isso, decidi hoje falar de algo realmente importante: nasceram três melros na trepadeira do muro do meu quintal. Já suspeitávamos que alguma coisa estivesse para acontecer pois os gatos ficavam horas na marquise olhando lá para fora, atentos à inusitada actividade junto do muro e fugindo em correria para o interior da casa sempre que o melro macho, sentindo as crias ameaçadas, descia sobre eles em voo picado.

Agora os nossos novos vizinhos já voam. Fico a vê-los ir e vir, procurando laboriosamente comida, os olhos negros e brilhantes pesquisando o vasto mundo do quintal ou, se calha de sentirem que os observamos, fitando-nos com curiosidade, a cabeça ligeiramente de lado, como se se perguntassem: “E estes, quem serão?

Em breve nos abandonarão e procurarão outro território para a sua jovem e vibrante existência. E eu tenho uma certeza: não, nem tudo é política; a política é só uma ínfima parte, a menos sólida e menos veemente, daquilo a que chamamos impropriamente vida.”

Obrigada por nos dares, em palavras, a realidade que todos os dias nos trespassa o olhar.

Anúncios


"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Outubro 2012
S T Q Q S S D
« Set   Nov »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 141,464 hits

%d bloggers like this: