27
Nov
12

O Sal da Língua comemora…valter hugo mãe

O Sal da Língua comemora a atribuição do Grande Prémio Portugal Telecom 2012, que distingue o melhor livro publicado no Brasil em qualquer categoria, ao escritor português Valter Hugo Mãe, que venceu com a obra “A Máquina de Fazer Espanhóis”, editado no Brasil pela Cosac Naify. Valter Hugo Mãe recebeu o prémio em São Paulo, no Auditório Ibirapuera. Na categoria de conto e de crónica venceu Dalton Trevisan, Prémio Camões 2012 e vencedor dos Grande Prémio Portugal Telecom em 2003 e 2007, com “O anão e a ninfeta”. Os outros finalistas foram os também brasileiros Sérgio Sant’Anna, com “O livro de Praga”, João Anzanello Carrascoza, com “Amores mínimos”, e Evando Nascimento, com “Cantos do mundo”.

Valter Hugo Mãe escreve e transporta-nos, o livro “O Remorso de Baltazar Serapião”, a minha obra favorita, leva-nos para o grotesco da idade média e para uma história de amor e redenção. Parabéns Valter por mais esta conquista.
Anúncios

0 Responses to “O Sal da Língua comemora…valter hugo mãe”



  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Novembro 2012
S T Q Q S S D
« Out   Jan »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,116 hits

%d bloggers like this: