Posts Tagged ‘álamos

29
Jun
10

O rio

Chega ao fim, o rio. Vem de longe só para morrer às mãos das vagas. Chega extenuado, o caminho é longo, nem sempre fácil, embora se demore muita vez a contemplar as margens, ora escarpadas, ora em socalcos verdes, entre oiro e carmim. Na foz esperam-no as gaivotas, mas sobre os seus flancos, onde o céu é mais fértil, as garças cinzentas seguem-no de perto – não sei dizer qual destas aves prefere para companhia. O que ele mais ama, sobre isso não tenho dúvidas, são aqueles álamos frios das terras de Sória, onde as suas águas são delgadas e jovens. Os álamos e a música que neles há, quando os anjos lhes acariciam as folhas, que tremem à sua aproximação. É com eles na alma, que se verga por fim o rio às águas salgadas da sua última morada.

24
Nov
09

Cante Jondo

A mão onde pousava
o que a noite trazia
é quase imperceptível;
memória só seria
do que nem nome tinha:
um arrepio na água?,
um ligeiro tremor
nas folhas dos álamos?,
um trémulo sorrir
em lábios que não via?
Memória só seria
de ter sonhado a mão
onde nada pousava
do que a noite trazia.
16
Abr
09

Da memória

Branco, branco e orvalhado,

o tempo das crianças e dos álamos.

15
Jan
09

A música

De alma e coração ainda mareados por gentes e terras que marcaram estas últimas semanas, regresso ao sal da nossa língua para desejar a todos um 2009 cheio de motivos para sorrir e de sorrisos sem motivo!

 

 

Álamos —

música

de matutina cal.

 

Doces vogais

de sombra e água

num verão de fulvos

lentos animais.

 

Calhandra matinal

no ar

feliz de junho.

 

Acidulada

música de cardos.

 

Música do fogo

em redor dos lábios.

 

Desatada

à roda da cintura.

 

Entre as pernas,

junta.

 

Música

das primeiras chuvas

sobre o feno.

 

Só aroma.

Abelha de água.

 

Regaço

onde o lume breve

de uma romã brilha.

 

Música, levai-me:

 

Onde estão as barcas?

Onde são as ilhas?

 

Notícias da Fundação:

Na passagem do 86º aniversário do nascimento de Eugénio de Andrade, a Fundação que tem o seu nome fará na próxima segunda-feira, dia 19, pelas 18h30, o lançamento de uma nova edição de À Sombra da Memória. Na sessão de lançamento o Dr. António Oliveira fará a apresentação do livro, para o qual Gonçalo M. Tavares escreveu um texto original, que será lido, assim como outros textos de Eugénio de Andrade.

A entrada é livre.

 

 

 

 

 




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Novembro 2019
S T Q Q S S D
« Jan    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 164.569 hits