Posts Tagged ‘neve

30
Jan
13

Narrativa da neve

Vem o vento

e ninguém sabe se virá mais cedo

o inverno. Vem e deixa no telhado

algumas sílabas.

O trabalho da boca para não morrer

É juntá-las, fazer um diadema, coroar

a neve, o azul da neve,

na mais frágil haste.

São coisas tuas:

cintilações a que chamas ave.


In: Ofício da Paciência (1994)

//

15
Jan
10

Contraponto

Oiço-a ainda longe, a neve.
Vai chegar um dia com a luz de novembro,
antes passará pelos teus lábios.
E serás condescendente,
a ponto de lhe indicares o caminho
mais longo,
o que leva ao bosque onde
te peguei na mão
sem coragem para a levar à boca.
A neve tem esse lado acolhedor
de farol no escuro.
Antes de nos soterrar o coração.
28
Dez
09

Julguei que não voltaria a falar

Julguei que não voltaria a falar
desse verão onde o sol se escondia
entre a nudez
dos rapazes e a água feliz.

Imagens que já não doem
– risos, corridas, a brancura dos dentes,
ou a matutina estrela
ardendo no centro da nossa carne –

chegaram com a neve, tão rara
nestas paragens,
e como pousa a poeira,
sentaram-se ao lume vagarosas.

Aí estiveram, escutando o que traz
o vento. Até anoitecer.
05
Abr
09

Estribilhos de um dia de Verão

1

Um nó de luz ou uma lágrima:

nada mais era quando despertava.

 

2

Sabor de água, puro sabor

de ser matinal até doer.

 

3

Sabor de ser

ardor de florir,

rumor de amanhecer.

 

4

Ser

da neve ao fogo um só ardor.

 

5

Um só fluir, um só fulgor.

26
Jan
09

Assim despido

Rosto despido, magra fonte

dos dias – assim começa a breve

fala que escuto

 

vinda de longe, assim o nome

desse cristal,

o tão amado e perdido

 

olhar; assim do prado branco

as águas de junho

ou de setembro descem ao mar;

 

assim as dunas onde as aves

pousam leve ou nos lábios

o canto arde;

 

assim a neve.




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Agosto 2017
S T Q Q S S D
« Jan    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,226 hits