Arquivo de Agosto, 2008

29
Ago
08

Introdução ao canto

Ergue-te de mim,

substância pura do meu canto.

Luz terrestre, fragância.

Ergue-te, jasmim.

 

Ergue-te, e aquece

a cal e a pedra,

as mãos e a alma.

Inunda, reina, amanhece.

 

Ao menos tu sê ave,

primavera excessiva.

Ergue-te de mim:

canta, delira, arde.

Anúncios
26
Ago
08

Espadas da melancolia

Um corpo

para estender a náufragos – o teu corpo.

 

Um rasto de cadelas aluadas,

um charco de maçãs apodrecidas

ou longas cabeleiras apagadas.

 

Não dizias palavras, ou só dizias

aquelas onde o rosto se escondia.

 

Palavras onde o sangue não abria

a corola de fogo à madrugada.

 

O azul não canta, a água morre

na mais secreta boca do teu corpo.

 

Aqui não brilha a terra, a luz é fria,

aqui o horizonte não respira.

 

Não havia vento: só medo e cobardia.

25
Ago
08

Só as tuas mãos trazem os frutos

Só as tuas mãos trazem os frutos.

Só elas despem a mágoa

destes olhos, e dos choupos,

carregados de sombra e rasos de água.

 

Só elas são

estrelas penduradas nos meus dedos.

– Ó mãos da minha alma,

flores abertas aos meus segredos.

22
Ago
08

Juventude

Sim, eu conheço, eu amo ainda

esse rumor abrindo, luz molhada,

rosa branca. Não, não é solidão,

nem frio, nem boca aprisionada.

Não é pedra nem espessura.

É juventude. Juventude ou claridade.

É um azul puríssimo, propagado,

isento de peso e crueldade.

21
Ago
08

Os olhos rasos de água

Cansado de ser homem o dia inteiro

chego à noite com os olhos rasos de água.

Posso então deitar-me ao pé do teu retrato,

entrar dentro de ti como num bosque.

 

É a hora de fazer milagres:

posso ressuscitar os mortos e trazê-los

a este quarto branco e despovoado,

onde entro sempre pela primeira vez,

para falarmos das grandes searas de trigo

afogadas na luz do amanhecer.

 

Posso prometer uma viagem ao paraíso

a quem se estender ao pé de mim,

ou deixar uma lágrima nos meus olhos

ser a nostalgia das areias.

 

É a hora de adormecer na tua boca,

como um marinheiro num barco naufragado,

o vento na margem das espigas.

20
Ago
08

Não ouças essas vozes que não param

Não ouças essas vozes que não param

de crescer a caminho do inverno,

os lugares onde o corpo de erro

em erro abdica de ser corpo

são mortais, não ouças essas vozes

onde o sol apodrece, nunca mais.

19
Ago
08

O mar. O mar novamente à minha porta

O mar. O mar novamente à minha porta.

Vi-o pela primeira vez nos olhos

de minha mãe, onda após onda,

perfeito e calmo, depois,

 

contra as falésias, já sem bridas.

Com ele nos braços, quanta,

quanta noite dormira,

ou ficara acordado ouvindo

 

seu coração de vidro bater no escuro,

até a estrela do pastor

atravessar a noite talhada a pique

sobre o meu peito.

 

Este mar, que de tão longe me chama,

que levou na ressaca, além dos meus navios?




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Agosto 2008
S T Q Q S S D
« Jul   Set »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 142,017 hits