Posts Tagged ‘rosa

11
Maio
15

A outra morada

É de Shumann, a música.

Dói, acalma, é transparência

última da rosa, a de Dante

no Paraíso;

não há outra morada,

outro cristal, outra ave;

há somente esse rio, esse gume

que fere, apazigua,

o corpo, a alma – quem sabe?

In: Rente ao Dizer (1992)

Anúncios
22
Set
13

Na orla do mar

Na orla do mar,

no rumor do vento,

onde esteve a linha

pura do teu rosto

ou só pensamento

(e mora, secreto,

intenso, solar,

todo o meu desejo)

aí vou colher

a rosa e a palma.

Onde a pedra é flor,

onde o corpo é alma.

 

In: Até amanhã (1956)

02
Set
09

Casa do mundo

A diminuta
flor da candeia,
na mesa o pão o vinho
a rosa,
a súbita brancura da cama aberta –
a eternidade
milimetricamente
a dividir contigo.
05
Jul
09

Retrato

No teu rosto começa a madrugada.
Luz abrindo,
de rosa em rosa,
transparente e molhada.
 
Melodia
distante mas segura;
irrompendo da terra,
quente, redonda, madura.
 
Mar imenso,
praia deserta, horizontal e calma.
Sabor agreste.
Rosto da minha alma.

 

Notícias da Fundação:
Na sede da Fundação Eugénio de Andrade vai ser apresentado, no próximo sábado, dia 11 de Julho, pelas 18h30, o primeiro livro, Delírio Húngaro, do jovem poeta Nuno Brito. Publicado pela editora que tem o nome de Edita-me, o livro será apresentado por Arnaldo Saraiva e por Manaíra Aires. A entrada é livre.
01
Jun
09

A rosa e o mar

Eu gostaria ainda de falar
da rosa brava e do mar.
A rosa é tão delicada,
o mar tão impetuoso,
que não sei como os juntar
e convidar para um chá
na casa breve do poema.
O melhor é não falar:
sorrir-lhes só da janela.

Deixo hoje um poema do livro infantil de Eugénio de Andrade, "Aquela nuvem e outras", a assinalar no Sal da Língua o dia 1 de Junho, o dia da Criança!
20
Mar
09

Tocar-te a pele

Tocar-te a pele

o pulso aberto

ao gume do olhar.

 

Que seja essa

 a casa, a estrela

do primeiro dia.

 

Rosa inflamável,

boca do ar.

 

 

Notícias da Fundação:

 

A lista inicial de poetas que estarão na Fundação para a sessão do Dia Mundial da Poesia foi aumentada. Assim, no próximo sábado, dia 21, pelas 18h30, estarão na Fundação Eugénio de Andrade para ler poemas inéditos, os seguintes poetas: Albano Martins, Fernando Guimarães, Eduarda Chiote, António Rebordão Navarro, Ana Luísa Amaral, Helga Moreira, José Emílio-Nelson, Rosa Alice Branco, Daniel Maia Pinto Rodrigues, João Luís Barreto Guimarães, Rui Lage, Inês Lourenço e Jorge Reis-Sá. A entrada é livre.

28
Jan
09

Rosa do mundo

Rosa. Rosa do mundo.

Queimada.

Suja de tanta palavra.

 

Primeiro orvalho sobre o rosto.

Que foi pétala

a pétala lenço de soluços.

 

Obscena rosa. Repartida.

Amada.

Boca ferida, sopro de ninguém.

 

Quase nada.




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Outubro 2017
S T Q Q S S D
« Jan    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 140,243 hits