Archive for the 'Escrita da Terra (1974)' Category

11
Jan
15

No aeroporto de Nova Iorque

Olha-me rapidamente num convite

que não aceito, a promessa de prazer

cai então em olhos menos fatigados,

mas por instantes pude surpreender

um campo matinal de trevos orvalhados.

In: Escrita da Terra (1974)

26
Mar
12

Amanhecer em Estremoz

Uma a uma a noite abria

à luz matinal das rolas

as minúsculas portas da alegria.

 

In: A Escrita da Terra (1974)

Vistas da Torre de Menagem do Castelo de Estremoz

03
Jan
12

Alentejo

Agonia

dos lentos inquietos

amarelos,

solidão do vermelho

sufocado,

por fim o negro,

fundo espesso,

como no Alentejo

o branco obstinado.


 

In: Escrita da Terra (1974)

14
Jul
11

Cacela

Está desse lado do verão

onde manhã cedo

passam barcos, cercada pela cal.

 

Das dunas desertas tem a perfeição,

dos pombos o rumor,

da luz a difícil transparência

e o rigor.

 

In: Escrita da Terra (1974)

27
Jun
11

Sul

Depois de uns dias de pausa, da vida como ela é, num recanto escondido do sul do país, com sal, sol e mar, regresso ao quotidiano. De Eugénio, também o “Sul”.

 

Pelo azul da pedra vê-se que é verão,

à beira do tanque os aloendros devem estar

em flor,

as águas reflectem o silêncio.

 

 In: Escrita da Terra (1974)

26
Maio
11

Tebas

Era um lugar onde só

a poesia

me podia ter levado –

lugar de morte, a luz

roída,

rala.

Até a minguada

romãzeira

era de pedra.

O vento

acrescenta-lhe a poeira.

 

In: Escrita da Terra (1974)

22
Set
10

Calcedónia

Afinal os romanos eram

como eu: amavam

os lugares onde a grandeza

e a solidão

andam de mãos dadas.

 

In: Escrita da Terra  (1974)




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Agosto 2017
S T Q Q S S D
« Jan    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,226 hits