Arquivo de Julho, 2013

29
Jul
13

O Sal da Língua comemora…Eugénio permanente na Biblioteca do Porto

A Biblioteca Pública Municipal do Porto (BPMP) acaba de criar uma sala de exposições dedicada a Eugénio de Andrade, que funcionará como espaço de consulta, mas também como núcleo evocativo do poeta através de uma exposição permanente intitulada “Eugénio de Andrade: Escrita, Lugares e Afectos”. A mostra organiza-se em núcleos temáticos que, partindo de palavras de Eugénio, abordam o seu percurso de vida, desde a infância no Fundão até se radicar no Porto, depois de passagens por Lisboa e Coimbra. A exposição pode ser visitada às quartas-feiras, entre as 14h30 e as 18h00. Para a consulta de reservados e outras coleções especiais, são dedicados os dias de 2ª e 3ªfeira, entre as 10h00 e as 18h00, a 4ªfeira, entre as 10h00 e as 13h00 e a 5ª e 6ªfeiras, entre as 10h00 e as 18h00.

Mais informações aqui: http://bmp.cm-porto.pt/eugeniodeandrade_2013-1

EApoema

13
Jul
13

Entre o primeiro e o último crepúsculo

Eu tinha dois ou três anos, tenho agora sessenta, e o apelo da luz é o mesmo, como se dela tivesse nascido e só a ela não pudesse deixar de regressar. Entre o primeiro crepúsculo e o último, sempre o corpo todo se deixou penetrar por esse ardor que se fazia carícia na parte mais diáfana e imponderável do ser, e a que, se não lhe chamarmos luz também, não saberemos nunca que nome dar.

20.11.85

 

In: Vertentes do Olhar (1987)




"Poupar o coração é permitir à morte coroar-se de alegria." Eugénio de Andrade
Julho 2013
S T Q Q S S D
« Jun   Ago »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
“Sobre Eugénio sobra-me em emoção e lágrimas o que escasseia em palavras. Não há claridade que te descreva, meu querido Eugénio. És o meu poeta de ontem e de sempre. Mantinha um desejo secreto de te conhecer um dia, passar uma tarde contigo de manta nas pernas a afagar os gatos que tanto amavas. Em silêncio, sim, pois sempre foi em silêncio que me disseste tudo ao longo destes anos todos em que devorei as tuas palavras. Tu não poupaste o coração e por isso viverás sempre. Não há morte que resista a isso.” Raquel Agra (13/06/2005)

Blog Stats

  • 138,168 hits